Vertentes Tradicionais, Pentecostais e Neo-Pentecostais

Vertentes
Vertentes Tradicionais, Pentecostais e Neo-Pentecostais

Falar sobre as diversas vertentes cristãs das igrejas protestantes, também chamadas de igrejas evangélicas, é uma tarefa bastante complexa por pelo menos duas razões. Primeira, tendo em vista a elevada quantidade de divergências teológicas dentro dos próprios grupos denominacionais, torna-se praticamente impossível definir com exatidão quais são as diferenças existentes entre cada seguimento religioso. Segunda, o ponto de vista de alguém que se propõe a falar das diferenças entre estas vertentes é, na maioria das vezes, influenciado por suas próprias crenças, usos e costumes.

Não raro encontraremos determinado seguimento protestante afirmando que tais e tais denominações são, na verdade, seitas; e que suas doutrinas não são outra coisa senão heresias. Todavia, afirmações como estas estão em conformidade com o ponto de vista de quem as proferiu. Possivelmente, esta mesma denominação também é tida como seita por algum outro seguimento religioso que pertença ao grupo das igrejas cristãs chamadas de evangélicas.

Em vista destas coisas, da forma mais neutra possível, faremos aqui uma diferenciação geral das três vertentes mais significativas do seguimento evangélico. Vale a pena lembrar que estas informações não são absolutas, e que não poucas denominações também se diferem umas das outras, apesar de se encontrarem dentro do mesmo seguimento. Portanto, além de ampla pesquisa, a melhor maneira de compreender um pouco mais sobre estas vertentes é indo direto à fonte, visitar cada comunidade, conversar com seus líderes e então obter suas próprias conclusões.

 

Vertente Tradicional

 

            Como o próprio nome indica, a Tradição é algo valorizado nesta vertente. A forma de governo, a liturgia do culto, a preparação dos obreiros, o sistema de evangelização, a hinologia e, principalmente a teologia, ocorrem (sempre que possível) de acordo com os primórdios da igreja protestante, desde a época dos reformadores do século 16 na Europa e das confissões de fé que surgiram a partir daquela época. Muitas pessoas associam a vertente tradicional apenas ao aspecto litúrgico, que é mais fechado. Todavia, a liturgia é apenas uma das diversas facetas desta vertente. As igrejas que pertencem à vertente tradicional divergem entre si há séculos, principalmente em questões teológicas como a forma e significado do batismo, a forma de governo eclesiástico, e a salvação da alma.

 

Vertente Pentecostal

 

            O Movimento Pentecostal abrange o conjunto de igrejas que a partir do século 20 começaram a enfatizar a manifestação da presença do Espírito Santo, bem como os dons carismáticos, especialmente o falar em línguas como sinal do batismo do Espírito Santo. Apesar do declínio do número global de cristãos na atualidade, esta vertente é a que mais tem crescido em todo o mundo. No entanto, assim como ocorre com a vertente tradicional, nem todas as igrejas que se denominam pentecostais concordam entre si no que diz respeito às suas doutrinas, à forma de governo eclesiástico, à teologia e, principalmente, aos usos e aos costumes

 

Vertente Neo-Pentecostal

 

            Esta é uma vertente recente, 1970 e 1980, oriunda do movimento pentecostal. Fora do Brasil, as igrejas desta vertente são chamadas de Carismáticas. Mas, pelo fato de aqui no Brasil o termo carismático estar reservado a um movimento da Igreja Católica, o termo usado é neo-pentecostal. Esta vertente dá ênfase à teologia da confissão positiva e à teologia da prosperidade. A teologia da prosperidade ensina que a Bíblia promete a prosperidade aos fiéis, e a confissão positiva que os crentes buscam por fé o que Deus já havia dito sobre eles. A confissão positiva é praticada para trazer o que já se acreditava; a própria fé é uma confissão que, através da fala, se torna real. Posteriormente, essas teologias ganharam certo espaço dentro de algumas igrejas do movimento pentecostal.

Conheça nossa Pós Graduação em Teologia Contemporânea e História do Pentecostalismo, AQUI!

Tiago Rocha

3 Comments;

  1. Eu to gostando Muito Desse Pequeno curso de teologia muito Bom abre a nossa mente pra muita coisa que não Estão sendo ditas de verdade

  2. Tiago, boa noite.
    Surge tambem o “Pentecostal Reformado”, protagonizado pelo Bispo Walter McAlister (Igreja Cristã Nova Vida). Seu pai, Roberto McAlister, que fundou a deniminacao, era pentecostal. E Walter apos fazer o
    Mestrado Presbiteriano nos EUA, se afirma im “pentecostal Reformado”. Augustus Nicodemus nao acha isso muito viavel. Eu oenso qur um “pentecostal Reformado” seria mais um “Reformado Continuista”. Eu temho essa temdencia. fiz o Seminário do Sul e sou um estudioso, mas discordo de muita coisa dos Batista Do Sul, em relacao aos dons. O peoprio Franklin Ferreira, batista refoemado com gendencias presbiterianas, ja admite que as Experiências tambem sao importantes.
    Enfim, tendo mais pra essa “nova” vertente. Já ouviu falar dela?
    Abraços
    Marcos
    21-9 8283 4845

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *