customheader

Posso ser próximo de Deus?

Posso ser próximo de Deus?
Posso ser próximo de Deus?

Como ser próximo de Deus? É preciso algo específico para que alguém consiga se aproximar de Deus? É provável que não poucos cristãos acreditem que não há uma especificidade para que alguém se aproxime do Pai Celestial. No entanto, a Bíblia nos ensina que a proximidade com o Senhor dos Exércitos não ocorre desconectada de uma vida obediente e disciplinada. A Intimidade com o Senhor não é algo totalmente espontâneo. Antes, esta intimidade é para aqueles que o temem como Deus (Salmo 25.14).

Talvez, o maior engano das pessoas em relação à aproximação íntima do Senhor, seja resultado do pensamento de que Deus se importa simplesmente com a sinceridade do coração. Porém, de acordo com o que vemos na Palavra de Deus, é justamente o coração quem nos leva aos piores enganos sobre a nossa condição espiritual. Nas palavras do profeta: “enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto” (Jeremias 17.9). Será que apenas a “sinceridade” do meu coração faz com que eu seja próximo de Deus? Neste texto, veremos o porquê da proximidade com Deus, de fato, não ocorrer apenas com sentimentos e desejos sinceros vindos do nosso coração.

Para início de conversa, a verdadeira intimidade e aproximação de Deus têm de ser resultado de uma vida de busca por conhecimento e obediência. Não há como ser próximo sem conhecer. Nós sabemos que, para verdadeiramente conhecer a Deus, uma busca por leitura bíblica, oração e meditação sobre toda Revelação são necessários. Sem estas coisas, o máximo que teremos será um conhecimento sociológico da religião ou, talvez, um amplo conhecimento geral da divindade. Todavia, jamais conheceremos o Deus verdadeiro de modo a termos com Ele proximidade.

A Bíblia nos revela que, desde os tempos do Antigo Testamento, o povo de Deus foi chamado para conhecer a Deus: “tomar-vos-ei por meu povo e serei vosso Deus; e sabereis que eu sou o Senhor, vosso Deus, que vos tiro debaixo das cargas do Egito” (Êxodo 6.7). Nesta passagem, o verbo “saber” traz o sentido experimental de conhecimento (o de que Ele é Deus). Existem diversas outras passagens no Antigo Testamento que enfatizam o chamado ao conhecimento de Deus.

            Além do conhecimento de Deus, as Escrituras revelam que a obediência é fundamental para o relacionamento íntimo com o Pai. As primeiras palavras do registro profético de Isaías não deixam dúvidas sobre a maneira que as pessoas devem se aproximar Deus e se comportar diante de toda sua santidade (Isaías 1.1-31). Contudo, não poucos cristãos ainda insistem em colocar a “sinceridade de coração” à frente da obediência. Agem como se Deus jamais tivesse revelado algo a respeito.

            Inclusive, a Bíblia nos trás diversos relatos de pessoas que foram punidas pelo próprio Deus, pelo fato de terem colocado a “intenção”, digamos assim, à frente da obediência. Foi o caso de Saul, que, segundo ele próprio, “forçado pelas circunstâncias” decidiu oferecer holocausto e ofertas pacíficas sem esperar pelo profeta Samuel, desobedecendo à palavra que havia recebido do Senhor. O texto revela uma repreensão contundente: “procedestes nesciamente em não guardar o mandamento que o Senhor, teu Deus, te ordenou. […] já agora não subsistirá o teu reino” (1º Samuel 13.13-14).

            Uma situação semelhante aconteceu com Uzá, que por causa de uma atitude de “sincero coração” foi punido com a morte: “Quando chegaram à eira de Nacom, estendeu Uzá à mão à arca de Deus e a segurou, porque os bois tropeçaram. Então, a ira do Senhor se acendeu contra Uzá, e Deus o feriu ali por esta irreverência; e morreu ali junto à arca de Deus” (2 Samuel 6.6-7).

            Deus não pode suportar desobediência associada à intimidade. É por isso que a aproximação de Deus sem a devida obediência à sua vontade revelada, não passa de abominação aos olhos do Senhor. Para que haja real aproximação de Deus, é necessário haver conhecimento e obediência. É preciso conhecer a vontade do Senhor e também viver de acordo com esta vontade. Tentar se achegar ao Senhor sem a devida reverência e sem temor é o mesmo que atrair sobre si a ira de Deus. O conhecimento e a obediência estão essencialmente vinculados à aproximação de Deus; este não pode existir sem aqueles.

 

Tiago Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *