O Papel de Mãe na bíblia

Mãe
O Papel de Mãe na bíblia

Ser mãe pode ser uma tarefa assustadora! O desafio de criar filhos bem equilibrados sempre vem acompanhado de enorme de responsabilidade. Ser mãe requer sabedoria, compaixão, energia e muita paciência. Não poucas mães facilmente admitirão que sentem-se intimidadas pelo peso da responsabilidade que carregam. Algumas mães, por causa das diversas pressões, podem até mesmo se esquivar do seu papel. No entanto, entender o quão sério é a responsabilidade de ser mãe é fundamental. Afinal de contas, todas as mães (e também os pais) são chamadas por Deus para criarem os seus filhos “segundo a instrução e conselho do Senhor” (Efésios 6.4).

“Herança do Senhor são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão. Como flechas nas mãos do guerreiro, assim os filhos da mocidade. Feliz aquele que enche deles a sua aljava; não será envergonhado, quando pleitear com o inimigo à porta” (Salmo 127.3-5).

Como lemos no texto mencionado do salmo 127, a Bíblia nos apresenta os filhos como sendo presentes especiais de Deus. O Senhor os deu para serem verdadeiras bênçãos aos seus pais. Biblicamente falando, a criação de filhos deve ser fonte de alegria e satisfação. Os filhos jamais devem ser vistos como um peso ou uma fonte constante de frustração. Pois, o plano original de Deus é que os filhos proporcionem aos pais felicidade, satisfação e amor:

No entanto, por causa da corrupção do pecado, a maternidade planejada originalmente por Deus não pode ser vivenciada em sua plenitude. Outra situação que faz com que esta tarefa se torne ainda mais difícil é o fato de vivermos num mundo inundado por múltiplas filosofias sobre criação de filhos que são totalmente alheias à Palavra de Deus. Por isso, apesar do salmo destacar que o plano de Senhor é que os filhos sejam bênção e não sofrimento, quando abandonados a si mesmos e expostos às influências do mundo, os filhos podem se tornar uma fonte de tristeza e desapontamento para sua família e para toda a sociedade.

Dentre tantas menções a respeito de mães que encontramos nas Sagradas Escrituras, os livros dos reis nos trazem uma lista não tão conhecida, mas que pode conter um grande ensinamento para nós. Estas são as mães mensionadas: Naamá, mãe do rei Robão (1 Reis 14.21); Maaca, mãe do rei Absalão (1 Reis 15.22); Atalia, mãe do rei Acazias (2 Reis 8.26); Hefzibá, mãe do rei Manassés (2 Reis 21.1); Mesulemete, mãe do rei Amom (2 Reis 21.19); Hamutal, mãe do rei Jeoacaz (2 Reis 23.31); Zebida, mãe do rei Jeoaquim (2 Reis 23.36); Neusta, mãe do rei Joaquim (2 Reis 24.8); Hamutal, mãe do rei Zedequias (2 Reis 28.18).

O nome de todas estas mulheres foi propositalmente mencionado pelo autor bíblico, logo após a informação de que seus filhos tinham sido reis maus e feito aquilo que desagradava ao Senhor durante seu reinado. Não é interessante que a única informação trazida pela Bíblia a respeito destas mulheres é relacionada aos seus filhos, e que foram reis maus? Não é interessante também que no final do registro biográfico de diversos reis maus esteja escrito: “e o nome de sua mãe era…”, como parte importante de sua história política?

Obviamente, embora haja uma considerável influência das mães sobre a vida de seus filhos, no geral, elas não são responsáveis por todas as escolhas que os seus filhos fazem. No entanto, é bastante provável que a intenção do autor bíblico ao registrar o nome dessas nove mulheres seja sim evidenciar para todos os leitores que a maternidade sempre será uma marca na história do filho. Seja a mãe uma pessoa ausente ou presente, seja ela atenciosa ou negligente em sua responsabilidade; independentemente de como é o relacionamento de uma mãe com seu filho, a história do filho sempre será marcada pela vida mãe.

 

Tiago Rocha

 

3 Comments;

  1. Eu, gostei porque o nome mãe
    não pode ser Esquecido independentemente do Caráter dos filhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *