A Importância do Ensino

Paulo diz, “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:16, 17). Diz em outra parte, “Pois tudo o que foi escrito no passado foi escrito para nos ensinar, de forma que, por meio da perseverança e do bom ânimo procedentes das Escrituras, mantenhamos a nossa esperança” (Romanos 15:4).

 

Paulo enfatiza a preeminência de toda a Escritura no capítulo 3:16 — diz que toda a Escritura é “Inspirada por Deus”. O Senhor se envolveu ativamente na revelação de sua verdade aos apóstolos e profetas que a escreveram. O Autor da Bíblia é o próprio Deus. Portanto, as Escrituras são verdadeiras em tudo o que afirmam e totalmente fidedignas (1 Pedro 1:20, 21); ela não contém a Palavra de Deus, ela é, a Palavra de Deus.

Comece 2019 priorizando seu amanhã! Como? Adquirindo o curso mais completo em Teologia do Brasil, para aperfeiçoamento próprio! Saiba mais, aqui: CURSO

Portanto, o estudo da Bíblia é proveitoso em, pelo menos, quatro formas diferentes. Ensinar, ou seja, doutrinar. Paulo enfatiza em primeiro lugar o ensino correto; em Atos, Lucas também enfatiza o compromisso da Igreja de Jerusalém com a doutrina (Atos 2:42). Redarguir, no caso, é não apenas argumentar, mas argumentar com convicção uma verdade incontestável. Corrigir é disciplinar, endireitar (2 Timóteo 2:15). Instruir refere-se a ensinar a um novato ou uma criança. Note-se que somente um destes termos está voltado simplesmente para a informação — ensinar (1 Pedro 2:2); os demais implicam mudança de vida.

 

Aqui ele enumera um a um os muitos e variados usos da Escritura. Antes de tudo ele faz menção do ensino, visto que ele mantém a precedência acima de todos os mais. Visto, porém, que a doutrina, por sua própria natureza, é às vezes fria e inanimada, ele adiciona a reprovação e a correção.

 

O conhecimento completo que não promova mudança de vida de uma pessoa é inútil. Por outro lado, viver sem entendimento de quem é Deus e do que espera de nós é arriscado e perigoso.

 

Paulo outra vez diz ainda no capítulo 3 — O estudo das Escrituras torna o cristão perfeito, no sentido de capaz ou eficiente. Perfeitamente instruído significa plenamente preparado. A pessoa que domina a Palavra de Deus nunca perde seu caminho.

 

Perfeito, aqui, significa completo, a pessoa em quem não existe nada que seja defeituoso, porque ele assevera categoricamente que a Escritura é suficiente para efetuar a perfeição. Portanto, qualquer pessoa que não fica satisfeita com a Escritura, busca saber mais do que convém e mais do que lhe é bom saber. Aqui, porém, suscita-se uma pergunta.

 

Ao falar da Escritura, Paulo tinha em mente o que chamamos Antigo Testamento; como é possível dizer que ele pode fazer uma pessoa perfeita? Se esse é o caso, o que depois foi acrescentado pelos apóstolos é aparentemente supérfluo. Minha resposta é que, no que tange à substância da Escritura, nada se acrescentou. Os escritos dos apóstolos nada contêm além de simples e natural explicação da lei e dos profetas juntamente com uma clara descrição das coisas expressas neles. Paulo, pois, estava certo ao celebrar os louvores da Escritura nesses termos; e, visto que hoje seu ensino é mais completo e mais claro pela adição do Evangelho, devemos confiadamente esperar que a utilidade da qual Paulo fala se nos torne muito mais evidente, caso estejamos dispostos a fazer a prova e a recebê-la.

 

“[…] Toda a boa obra”, Paulo enfatiza a ligação essencial entre conhecer a Palavra de Deus e aplicá-la à vida pessoal do dia–a–dia. A doutrina correta deve produzir a prática correta.

 

1 – João Calvino sobre essa passagem (2 Timóteo 3:16, 17) e o ensino da Escritura.

 

Toda a Escritura – ou a totalidade da Escritura, embora não faça nenhuma diferença no sentido. Ele agora explica mais plenamente sua breve recomendação. Primeiro, recomenda a Escritura por causa de sua autoridade; e, a seguir, por causa do benefício que dela advém. Para asseverar sua autoridade, ele ensina que ela é inspirada por Deus. Porque, se esse é o caso, então fica além de toda e qualquer dúvida que os homens devem recebê-la com reverência. Eis aqui o princípio que distingue nossa religião de todas as demais, ou seja: — sabemos que Deus nos falou e estamos plenamente convencidos de que os profetas não falaram de si próprios, mas que, como órgãos do Espírito Santo, pronunciaram somente aquilo para o qual foram do céu comissionados a declarar. Todos quantos desejam beneficiar-se das Escrituras devem antes aceitar isto como um princípio estabelecido, a saber: — que a lei e os profetas não são ensinos passados adiante ao bel–prazer dos homens ou produzidos pelas mentes humanas como sua fonte, senão que foram ditados pelo Espírito Santo (CALVINO, João, Pastorais, p. 263).

 

Se alguém objetar e perguntar como é possível saber que foi assim, minha resposta é a seguinte: — é pela revelação do mesmo Espírito que Deus se tem feito conhecer como seu Autor, tanto aos discípulos quanto aos mestres. Moisés e os profetas não pronunciaram precipitadamente e ao acaso o que deles temos recebido, senão que, falando pelo impulso de Deus, ousada e destemidamente testificaram a verdade de que era a boca do Senhor que falava através deles.

 

O mesmo Espírito que deu certeza a Moisés e aos profetas de sua vocação, também agora testifica aos nossos corações de que Ele tem feito uso deles como ministros através de quem somos instruídos. E assim não é de estranhar que muitos ponham em dúvida a autoridade da Escritura. Pois ainda que a majestade divina esteja exibida nela, somente aqueles que têm sido iluminados pelo Espírito Santo possuem olhos para ver o que deveria ser óbvio a todos, mas que, na verdade, é visível somente aos eleitos.

 

Eis o significado da primeira cláusula, a saber: — que devemos à Escritura a mesma reverência devida a Deus, já que ela tem nEle sua única fonte, e não existe nenhuma origem humana misturada nela.

 

Paz e graça.

Por Pr. Plínio Sousa.

4 Comments;

  1. Se toda a escritura é apta para ensinar, corrigir e exorta, tudo que dela proceder e bem vindo pois acredito que Deus expressa suas mensagens na hora certa. De acordo com a situação que estamos passando. Obrigada ; paz e graça.

  2. Paz e graça reverendo gostaria muito de fazer o curso teológico; no entanto se houver o hebraico junto.

  3. Artigo maravilhoso com uma Forma esclarecedora das Escrituras. Só através do apóstolo Paulo é que aprendemos muito juntamente Com os demais livros.

  4. Ótima interpretação, por isso que eu falo exegese e Ermeneutica nos ajuda enteder a revelação divina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *