EXEGESE: VITAL IMPORTÂNCIA

Exegese
EXEGESE: VITAL IMPORTÂNCIA

A história da Igreja é perpassada pelo o afã de interpretar os textos Bíblicos no intuito da edificação da fé do povo de Deus, essa ação sempre foi a aprovada pelos os líderes da história da Igreja, mas a era moderna foi marcada por uma repulsa em estudar a Bíblia, sobre o pretexto de uma espiritualidade, em grande parte por influência dos pietistas e metodista que davam uma importância maior para a vida piedosa, oração, leitura da palavra e pratica cristã. Mas o que isso tem haver com Exegese?

Isso tudo as Igrejas utilizaram como regra para uma vida diante de Deus, uma vida devocional e que não tem uma preocupação com o estudo sistemático e metódico das sagradas escrituras, tudo isso tem uma importância relevante para a edificação da Igreja, por outro lado devemos salientar que durante toda a história da Igreja a pregação da palavra de Deus foi o motor que impulsionou a fé Cristã rumo a patamares sempre mais elevados.

E para pregar necessário é interpretar o texto, extrair do texto o seu sentido primordial e assim se aproximar ao máximo da intenção do autor.

Sendo assim na teologia estudamos um ramo muito importante chamado exegese Bíblica, que usa várias ferramentas com o intuito de tirar toda parte hermética do texto.

Wegner diz em sua obra de exegese que “ […] exegese é, pois, o trabalho de explicação e intepretação de um ou mais textos bíblicos” (WEGNER, 1998, p. 11)

A palavra exegese vem do Grego exégese, de ek + agéomai. ek – (fora) agéomai (conduzir); conduzir fora, fazer aparecer. A exegese é o trabalho pelo qual o exegeta faz aparecer o sentido de um texto. Exegese, portanto, é um trabalho sobre textos; mas, nem todo trabalho sobre textos constitui exegese.

A exegese é um método de leitura do texto; como a hermenêutica, ciência sua correlata. O exegeta, com frequência haverá de valer-se da hermenêutica para processar a sua análise textual. É, pois, tarefa do exegeta lançar mão de todos os recursos da exegese para investigar de forma, científica e minuciosa o texto das Sagradas Escrituras para daí tirar a genuína verdade, o “genuíno leite espiritual” (IPd 2.2).

Mas devemos salientar que em nossos dias os pregadores e pesquisadores fazem não uma exegese, mas eisegese, mas que vem, pois, a ser uma eisegese? Este seria o termo contrário, totalmente antagônico à exegese. Se na exegese a analista deriva do texto as suas verdades mais implícitas, na eisegese introduz no texto pensamentos que o texto não contém. A eisegese é completamente indesejável ao honesto estudioso da Bíblia Sagrada. Tal princípio é utilizado pelo teólogo liberal partindo do ponto de vista de que a interpretação da Bíblia deve partir da necessidade do povo e das aplicações laicas. O teólogo reformado interpreta Bíblia olhando para a Bíblia, o intérprete liberal parte das aspirações e necessidades humanas. Uma interpretação que não parta da própria Escritura, torna-se um fim em si mesma.

Todo exegeta haverá de buscar subsídio em muitas outras ciências, tendo como propósito elucidar os problemas de textos em questão. Tais ciências lhe fornecerão luzes importantes à interpretação textual. Apenas, relacionaremos algumas ciências que poderão ser úteis na feitura exegética, tais com Hermenêutica, Gramática, lógica, Geografia Bíblica, História, Cronologia, Línguas originais e a Arqueologia.   

A Hermenêutica é a mãe, por excelência da Exegese, pois, ela a torna necessária, não há exegese se não houver aspiração hermenêutica. O produto final da exegese é o que se denomina, hermenêutica propriamente dita. Ela tem sido definida como: Ciência ou Teoria da Interpretação. Ela nos conduzirá à interpretação correta dos tipos, figuras, símbolos, bem como das situações sociais, culturais, religiosas, políticas, etc. dos tempos bíblicos. A Exegese é a ferramenta, a Hermenêutica é a prática, ou seja, a Hermenêutica é o produto da ação do ferramental exegético sobre o texto. Todo hermeneuta deve partir da exegese bíblica para chegar à compreensão do texto.

Na gramatica podemos dizer que o pensamento do texto é expresso por palavras, daí a sua relação com a gramática. Deve o intérprete das Escrituras conhecer as gramáticas das línguas originais e, deve ter também certo domínio da vernácula.  

A lógica é a ciência do correto pensar. O exegeta precisa ter pensamentos bem ordenados e lógicos. A Bíblia apresenta a lógica de Deus para o homem, nela nada em sem propósito, tudo tem um sentido real e lógico, mesmo quando revestido de um tom espiritual ou, mesmo, miraculoso.

É a geografia que estuda a topografia da Palestina e de todo o mundo bíblico; cidades, habitantes, planícies, montanhas, rios mares e desertos e regiões em redor, bem como, a sua numismática, produtos agrícolas, minerais, etc. É necessário este conhecimento para se interpretar bem certos textos.

Conhecer as relações entre o povo escolhido e as nações vizinhas, especialmente as grandes monarquias como: Egito, Assíria, Caldéia, Babilônia, Média, Pérsia, Grécia, Macedônia e Roma. É necessário, especialmente, conhecer a história e cultura dos hebreus, como por exemplo: seus usos e costumes, suas instituições civis, seus ritos e cerimônias religiosas, etc.

A cronologia bíblica abrange questões difíceis e complicadas. Seu conhecimento é necessário para uma boa interpretação.

É necessário conhecimento das línguas originais (hebraico, aramaico e grego), para uma correta exegese. Um domínio fundamental seria a capacidade ler e um conhecimento geral das gramáticas; levando-se em conta o uso de fermentas voltadas para o uso acadêmico da Bíblia, como as bíblia on-line, como, por exemplo, a Bible Workes, Logos Bible, Sword de Lord, Davar, etc.

A arqueologia bíblica é importantíssima, principalmente, a partir do século XVIII, quando descobertas importantes no campo da arqueologia vêm incidir luz sobre o texto bíblico, principalmente, sobre o texto veterotestamentário, como por exemplo, os MM (Manuscritos do Mar Morto).

Enfim, não sobra tempo para referir todas as fontes da exegese bíblica. É então, importante ressaltar, que o exegeta deve, despido de preconceitos e dogmas, olhar em todas as direções, e analisar o texto sobre todos os ângulos possíveis.

Vimos nesse pequeno texto o quão é importante é a exegese para a pesquisa Bíblica e preparação de sermão, ainda que à primeira vista pareça assustador, mas no final é gratificante e enriquecedor.

Por : Cleber Eduardo da Paixão

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA      

ARCHER, Gleason. Encicloplédia de Dificuldades Bíblicas. São Paulo: Vida, 1998.

Autores diversos. Cadernos. Bíblicos. São Paulo: Paulinas,

1983.

KITTEL, R., Bílbia Hebraica Stuttgartensia. Germany, Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1997.

BACON, Betty, Estudos na Bíblia Hebraica.São Paulo: Vida Nova, 1991.

BUDDE, Rollenbeg. Gramática Elementar da Língua Hebraica. São Paulo: Sinodal, 1988.

DINOTOS, Sábado. Dicionário Hebraico Português. São Paulo: Imprensa Metodista, 1962.

FEE, Gordon D & STUART douglas. Entendes o que lês? São Paulo: Vida Nova, 2000.

GODOY, Ademar de Oliveira. Prática Exegética, Noções Elementares. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1990.

HARRIS, R Laird, ARCHER Gleason L Jr & Bruce K.

WALTKE, Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998.

KERR, Guilherme. Gramática Hebraica Elementar. São Paulo: Juerp, 1978.

OLIVEIRA, Ademar. Prática Exegética. São Paulo: CEP, 1990.

LUND, E & NELSON P. C. Hermenêutica. São Paulo: Vida, 2000.

MERRILL C. Tenney, O Novo Testamento Sua Origem e Análise.São Paulo: Nova Vida, 1998.

PAGE H. Kelley, Uma Gramática Introdutória, Rio Grande do Sul: Sinodal e IEPG, 1998.

POLIGLOTA, Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2003.

REINECKER, Frits & ROGERES, Cleon. Chave Lingüítica do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova,1985.

ROBERT H. Gundry, Panorama do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1999.

STRONG, A. H. Lexicon Hebrew Old Testament, Bíblia On

Line 2.1. Rio de Janeiro: SBB, 1999.

WALVOORD John f. & ZUCK Roy B., The Bible Knowledge (Wheaton, Illinois: Scripture Press Publications, Inc.) 1983, 1985. Logos Bible 2.1.

WALTER C. Kaiser Jr. & MOISÉS Silva, Introducao à Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Cultura Cristâ, 2002.

WEGNER, Uwe. Exegese do Novo Testamento: Manual de Metodologia. 5ª Ed. São Leopoldo: Sinodal, São Paulo: Paulus, 1998.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *