Edificação na Vida Conjugal

Conjugal
Edificação na Vida Conjugal

“Escolhei hoje a quem irão servir. […] Eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24.15)

 

A vida conjugal vai muito além de uma mera convenção da sociedade. O casamento é uma união completa, complexa, profunda e, acima de tudo isso, uma instituição divina, idealizada para refletir o relacionamento de Cristo com sua amada igreja. A própria expressão “uma só carne” mencionada em Genesis 2.24 indica este vínculo de total intimidade (unidade) do casal.

Acontece que, após a entrada do pecado no mundo (Romanos 5.12), o casamento tornou-se a união de duas pessoas totalmente corrompidas pelos efeitos da queda. Sendo assim, sempre que alguém decidir se casar é importante ter a visão realista sobre o que é, de fato, o matrimônio – união entre dois pecadores.

É ingenuidade acreditar que dois pecadores consigam, através de sua união, alcançar a plena felicidade. A declaração feita por Josué “eu e minha casa serviremos ao Senhor” não foi uma expressa por sentimentalismo. Ao contrário, Suas palavras estavam cobertas de racionalidade. Josué desafiou Israel a renovar a fidelidade para com Deus de forma consciente e racional; ele estava determinado a servir ao Senhor juntamente com sua família. Certamente, sua decisão implicaria num estilo de vida que o levasse a alcançar tal objetivo.

No entanto, as pessoas não costumam levar esta realidade a sério. Desconsideram o que a Palavra de Deus nos diz a respeito do pecado e casam-se porque fantasiaram um relacionamento que as fará felizes. Contudo, não demorarão muito para perceber que o relacionamento conjugal está repleto de desafios e até mesmo pode proporcionar infelicidade também, tudo por causa dos efeitos do pecado que estão sobre toda a humanidade.

Por conta desta realidade, é necessário que o casal faça um esforço consciente para manter acesos o amor e a atração dentro do relacionamento conjugal. A atenção dedicada ao cônjuge, o carinho, o interesse por seus sentimentos e opiniões não virão naturalmente com o dia a dia. Na verdade, por causa dos efeitos do pecado, o mais comum é que o relacionamento s desgaste e o interesse pelo outro deixe aos poucos de existir.

Porque são pecadores vivendo com outros pecadores, sempre haverá a possibilidade de situações relacionadas a ciúmes, traições, ausência, omissão, insegurança, ressentimento, separações, brigas, e tantas outras que, se o cônjuge não estiver conscientemente decidido em manter seu compromisso, o casamento não resistirá. A solução jamais está em ignorar a realidade do pecado e viver conforme os sentimentos; antes, está em se arrepender, confessar os erros e, racionalmente, um ajudar o outro ser alguém mais parecido com Jesus.

Apesar de todas as suas imperfeições, pela graça do Senhor, o marido pode ser usado por Deus como instrumento de bênçãos e misericórdia na vida da sua esposa, bem como a esposa pode ser instrumento de bênçãos e misericórdia nas mãos de Deus para a vida do seu marido. Nenhum relacionamento conjugal é sempre maravilhoso ou perfeito, mas graça do Senhor sempre virá sobre eles a fim de realizar, através deles mesmos, o amadurecimento desta relação.

 

Tiago Rocha

 

Este texto foi inspirado nos ensinos das obras: “Quando pecadores dizem sim” de Dave Harvey (Editora Fiel); “O que você esperava” de Paul David Tripp (Cultura Cristã).

2 Comments;

  1. Excelente Artigo. E realça muito bem a realidade da união entre dois pecadores. Um fato inegável, e motivo das causas adversas.

  2. O meu casamento estava into de Mal a pior ei eu e meu marido conhesemos o senhor ai o nosso casamento melhorou muito nosso nos entrgamos de corpo e Alma hoje o meu casamento esta melhor de quando EU casei hoje Deus cuida do meu casamento este ano iremos renovar os votos . Quando vc se entrega para deus tudo muda na sua vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *