customheader

Como será a volta de Cristo?

Como será a volta de Cristo?
Como será a volta de Cristo?

Ultimamente, parece que as pessoas não se interessam mais pela volta de Cristo. Quase não vemos expressões de anseio por se estar eternamente com Jesus na Nova Jerusalém. Alguns vão dizer que o amor da igreja pode ter se esfriado e que o Evangelho tornou-se uma mensagem banal. Fato é que, aquela expectativa pela vinda do Senhor Jesus, externada nos cânticos e nas pregações sobre a vinda do Cristo com todo o Seu poder e grande glória, está cada vez mais escassa. O principal foco de hoje em dia é a própria terra.

No entanto, para a verdadeira igreja do Senhor Jesus, a volta de Cristo continua sendo motivo de grande expectativa. Ela não se ilude com as atrações ilusórias deste mundo passageiro. Por mais que os prazeres desta era sejam reais e também diversos, a verdadeira igreja sabe que ela não pertence a este mundo, e que tudo aqui é passageiro.

Por ser um assunto que não é mais amplamente ensinado em diversas igrejas, existe bastante confusão a respeito da volta de Cristo. Por isso, veremos neste texto algumas das questões que envolvem (ou envolverão) este evento tão importante do cristianismo, que é a volta de Cristo.

Primeiramente, é importante sabermos que, da mesma maneira como a vinda de Jesus ao mundo foi um evento visível, pessoal e físico, será também sua volta. O retorno de Jesus não será simbólico ou unicamente espiritual. Literalmente, em sua primeira vinda, Jesus nasceu de uma virgem, morreu numa cruz, ressuscitou ao terceiro dia e retornou para o céu em seu próprio corpo físico. Tudo isto são fatos históricos. Assim também, a volta de Jesus será um evento histórico. Ele, literalmente, voltará de forma tangível (Atos 1.11).

Ainda que não seja possível sabermos com precisão o dia e a hora em que Jesus irá voltar na terra, de acordo com a Bíblia, alguns eventos necessariamente deverão ocorrer antes da segunda vinda de Cristo. Sendo assim, mesmo sem saber a data, é possível observamos os sinais que apontam para a chegada deste dia.

Por exemplo, a Bíblia diz que Ele não virá até que a proclamação do Evangelho tenha completado seu curso total (Mateus 24.14); diz também que Ele não virá antes da grande apostasia (1 Timóteo 4.1) nem da grande tribulação (Mateus 24.21); a Bíblia também diz que Jesus não virá até que o “homem da iniquidade”, o “anticristo” tenha sido revelado (2 Tessalonicenses 2.3). Apenas após a concretização destes e de diversos outros sinais, como guerras, fome, terremotos, aparecimento de falsos profetas, sinais no céu e nos astros (Mateus 24.29,30; Marcos 13.24,25; Lucas 21.25,26) é que ocorrerá a segunda vinda ocorrerá.

Em sua primeira vinda, Jesus veio num estado de humilhação. O profeta Isaías já havia dito que seria assim (Isaías 53.2-3). Portanto, como nos relata o apóstolo Paulo, quando Cristo veio ao mundo pela primeira vez, “ele a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo e a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz” (Filipenses 2.7-8). Todavia, quando Cristo voltar para a terra, será diferente.

A Palavra de Deus nos diz que, em sua segunda vinda, Jesus virá em glória (2 Tessalonicenses 1.10; Colossenses 3.4; Apocalipse 19.16); virá com objetivos bem definidos de fazer nova todas as coisas (Apocalipse 21.5); virá também para recompensar seus fiéis servos e punir aqueles que não creram em seu sacrifício de salvação (Mateus 25.21-46).

Um dos propósitos estabelecidos pelo Senhor para a volta de Cristo é o de introduzir “a era vindoura”, que é o estado eterno das coisas. Isso acontecerá a partir de dois eventos extraordinários – a ressurreição dos mortos e o juízo final (2 Tessalonicenses 1.8).

Cristo julgará os vivos e os mortos, os humanos e os anjos. Ele julgará o mundo e completará a salvação do seu povo. Todos os seres criados comparecerão perante o trono de Jesus para serem julgados. Por isso, a volta de Cristo será marcada por terríveis sentenças sobre os ímpios, mas também por bênçãos eternas para aqueles que foram lavados no sangue do cordeiro (Mateus 25.31-46).

 

Tiago Rocha

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *